Sobre a Internet, os Correios e a sustentabilidade dos negócios

Jose Gaspar Nayme Novelli

21/08/2018

No início de agosto, uma notícia longe de ser usual passou sem muita ênfase na mídia especializada em negócios.

Pela primeira vez na sua história, as receitas com o segmento concorrencial da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), 355 anos completos em 2018, superaram as receitas com as atividades do monopólio estatal.

As receitas de prestação de serviços em seara onde há concorrência com o setor privado (DHL, UPS, JadLog, entre outras) alcançaram R$ 770 milhões em julho, enquanto as receitas com serviços de monopólio garantido por lei chegaram a R$ 620 milhões.

O futuro da Empresa tende a vincular-se mais ao cliente que ao usuário!

Mesmo considerando a eficiência das atividades dos Correios neste segmento, esta condição não explica todo o quadro.

Há algumas questões implícitas neste fato que encontram ressonância no que estamos analisando em sala de aula e nas empresas: o crescimento do e-commerce em razão do avanço das ferramentas tecnológicas, das operações logística e da substituição do varejo físico pelo eletrônico pelo consumidor que busca menor preço, e não experiência.

A Revista E-Commerce News ressaltou que em 2017 o aumento do faturamento do e-commerce foi de 12% e que a projeção para 2018 seria ainda maior: 15%, segundo dados da Associação Brasileira de Comércio Exterior (ABComm) (https://www.ecommercenews.com.br em 10/01/2018). Neste mesmo período a economia e o varejo físico caminharam de lado.

Todas as tendências indicam que no consumidor se dividirá entre a compra física com alguma experiência embutida ou a compra virtual, quando o único atrativo for o produto em si.

Há duas alternativas de negócio nesse jogo. Primeiro, quando o cliente der ênfase exclusivamente no preço. Neste caso, aumenta a importância e a atratividade de empresas que operam a logística do e-commerce, como Correios, pelo volume e ganhos de escala. Por outro lado, se o cliente buscar algo além do preço, por menor que seja sua expectativa de benefícios, não haverá atalhos; o empreendedor deverá agregar valor à sua oferta.

Esta é a grande oportunidade que se abre aos Correios, que deverá aproveitá-la com ganhos expressivos de eficiência operacional e satisfação dos clientes.

Continuaremos a aprofundar os desdobramentos dessa questão com gestores e alunos.